Segurança pública

Avô acusado de abusar sexualmente da neta é preso pela Polícia Civil

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) por meio da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher da 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil em Uberlândia, cumpriu ontem à noite (terça-feira, 6) mandado de prisão preventiva contra um trabalhador autônomo de 53 anos, acusado de abusar sexualmente da neta de 7 anos de idade e suspeito do mesmo crime contra outra neta de 1 ano e 4 meses. O investigado foi preso na Praça da Bíblia, no bairro Martins, em frente ao Terminal Rodoviário, quando tentava viajar para o Estado de São Paulo. Ele foi conduzido para a Delegacia de Plantão e depois foi levado para o Presídio Professor Jacy de Assis – Uberlândia 1, onde ficará à disposição da Justiça.

De acordo com a delegada Ludmila Carneiro, o homem não resistiu à prisão. Ele estava com a prisão preventiva decretada desde o domingo, dia 4, mas, somente ontem foi localizado pelos investigadores. O investigado foi encontrado numa fila de pessoas em estado de vulnerabilidade social, na praça em frente à rodoviária, aguardando uma “quentinha” pra depois tentar viajar, quando foi abordado pelos investigadores. Caso venha a ser condenado pelo crime, conforme a delegada, o trabalhador autônomo pode pegar uma pena que pode chegar a 15 anos de prisão. O inquérito policial deverá estar concluído dentro de 10 dias. A vítima e a mãe dela, que fez a denúncia, e o próprio acusado, já foram ouvidos.

O caso teria sido descoberto na quinta-feira, dia 1 de abril, mas suspeita-se que os abusos começaram em março. Os pais da criança o denunciaram à Polícia Militar, mas o acusado evadiu. No dia seguinte, o homem foi localizado por uma guarnição da PM quando perambulava pela estrada em direção a um distrito do município e foi conduzido para a Delegacia de Plantão, onde, ao ser ouvido pela delegada plantonista, admitiu o crime contra a neta de 7 anos, mas como ele estava fora do estado de flagrante foi liberado. No mesmo dia uma outra delegada, que estava acompanhando o caso, requereu a prisão preventiva dele e ordenou que as investigações continuassem. O decreto de prisão saiu dia 4.

Os policiais civis apuraram que o trabalhador autônomo está desempregado há algum tempo. Assim que a mulher dele soube das denúncias o mandou embora, ele tentou retornar para o lar, mas foi impedido. O caso ganhou repercussão no bairro onde a família do acusado reside. Hoje (quarta-feira, dia 7) pela manhã a delegada Ludmila Carneiro falou sobre o caso em entrevista à jornalistas. Equipe que atuou no caso: delegadas: Lia Eunice Valechi da Silva, Juliana Machado e Ludmila Carneiro. Investigadores: Sônia Unsonst de Freitas, Eliseu de Souza Ferreira e Klenya Marliane Silva e Souza. Escrivão: André Luiz Soares Júnior.

*Produzido pela Assessoria de Imprensa da 1ª DRPC de Uberlândia – MG –

ASSISTA AS LIVES DO CANAL ALÔ UBERLÂNDIA NO FACEBOOK