Segurança pública

Operação Erínias desarticula organização criminosa de Uberlândia que planejava ataques contra autoridades públicas

Entre os alvos dos ataques estavam promotor de Justiça, delegado de Polícia, investigador da Polícia Civil e agente da Polícia Penal

Uma força tarefa instituída entre o Ministério Público de Minas Gerais e as Polícias Civil, Penal e Militar, deflagrou nesta sexta-feira, 23 de junho, a Operação Erínias, visando à desarticulação de organização criminosa que planejava ataques contra autoridades. São cumpridos doze mandados de busca e apreensão e dez mandados de prisão temporária, com prazo de 30 dias, prorrogáveis por igual período.

A força tarefa descobriu o plano da organização criminosa para promover ataques a autoridades, dentre elas promotor de Justiça, delegado de Polícia, investigador da Polícia Civil e agente da Polícia Penal. As investigações revelam que o grupo criminoso se organizou no interior do Presídio Jacy de Assis, em Uberlândia/MG, onde montaram o plano para eliminar autoridades, arrecadaram alto valor de numerário numa espécie de consórcio, escolheram veículos para o dia da ação delituosa e compraram forte arsenal bélico, incluindo munições.

Com a soltura recente de parte do bando criminoso, as ordens foram determinadas por meio de uma carta, onde o líder da organização ilícita determina a execução de autoridades públicas. Na mesma carta, o bando revela ainda que possui patrimônio ilícito oculto em nome de laranjas e indicam um plano de fuga após o suposto atentado.

A operação conta com a atuação de quatro promotores de Justiça, 53 policiais militares, 61 policiais civis, além de 36 viaturas e um helicóptero.

As Erínias, na mitologia grega, eram personificações da vingança, encarregadas de castigar os crimes, especialmente os delitos de sangue.

Fonte: Ministério Público/MG