Minas Gerais

Municípios pequenos são mais vulneráveis à Covid-19 em Minas

Segundo estudo da UFU, Vale do Mucuri e Vale do Rio Doce têm maior vulnerabilidade geral; Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba apresentam melhores indicadores

O MedRxiv é um servidor de pré-impressões de artigos na área de ciências da saúde, fundado pelo Cold Spring Harbor Laboratory (CSHL), uma instituição educacional e de pesquisa sem fins lucrativos, pela Universidade de Yale e pelo BMJ, um fornecedor global de conhecimento em saúde. Clique na imagem para ler o artigo publicado neste sábado (25/07). (Imagem: Reprodução MedRxiv).

As situações que favorecem o adoecimento e a morte por Covid-19 variam de um lugar para outro. A vulnerabilidade em cada município de Minas Gerais foi avaliada por pesquisadores da Faculdade de Medicina (Famed) e do Instituto de Geografia (IG) da Universidade Federal Uberlândia (UFU). Eles publicaram o estudo neste sábado (25/07), no servidor MedRxiv.

Os cientistas analisaram os 853 municípios mineiros, divididos em 12 mesorregiões administrativas, e propuseram uma categorização em diferentes graus de vulnerabilidade para 23 indicadores relacionados à Covid-19. Esses indicadores foram agrupados em seis – demográficos, sociais, econômicos, infraestrutura de saúde, população de risco e epidemiológicos -, que combinados indicam ainda a vulnerabilidade geral. Os dados foram coletados em bases de órgãos federais e estaduais, como o IBGE e o Ministério da Saúde.

O estudo concluiu que a mesorregião do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba é a que tem menor vulnerabilidade geral. “Nós temos uma infraestrutura de saúde, demográfica e econômica que é mais favorável quando comparada com outras regiões”, afirma o coordenador do estudo, professor Stefan Vilges de Oliveira, do Departamento de Saúde Coletiva da Famed/UFU.

Em todo o estado, estão mais vulneráveis os municípios pequenos. Dos 705 municípios mineiros com menos de 25 mil habitantes, 308 estão entre os mais vulneráveis para o enfrentamento da doença causada pelo novo coronavírus, observando-se o conjunto de todos os indicadores. Por região, as áreas mais vulneráveis são o Vale do Mucuri e o Vale do Rio Doce.

Porém, o Triângulo Mineiro e o Alto Paranaíba, ao lado da mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte, apresentam maior vulnerabilidade epidemiológica, devido ao grande número de casos de Covid-19 e de mortes a cada mil habitantes. Só em Uberlândia, no Triângulo, de acordo com o boletim divulgado pela Prefeitura Municipal neste domingo (26/07), são 12.234 casos confirmados e 218 mortes.

“Os gestores de saúde devem utilizar de novos indicadores para aprimorar as políticas de prevenção, controle e assistência a casos da Covid-19 no estado de Minas Gerais. Essas políticas devem ser regionalizadas, levando em conta os diferentes determinantes de saúde, adoecimento e cuidado que cada município apresenta”, afirma o professor Oliveira.

Mapeamento em nível municipal de vulnerabilidade em Minas Gerais.

Além do professor Oliveira, da Famed/UFU, assinam o artigo o professor Jean Ezequiel Limongi, do IG/UFU, e os orientandos Igor Silva Campos, Vinícius Ferreira Aratani e Karina Baltor Cabral, todos vinculados à UFU (respectivamente, da esquerda para a direita).

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Fonte: UFU

ASSISTA AS LIVES DO CANAL ALÔ UBERLÂNDIA NO FACEBOOK