Minas Gerais

Ave rara é encontrada após 80 anos sem registros em Minas Gerais

O pássaro popularmente conhecido como bicudo (Sporophila maximiliani) foi avistado pela primeira vez, em vida livre, em Minas Gerais, após 80 anos sem registro no Estado. Apesar de comum em criatórios, essa espécie possui raros registros na natureza em todo país. Após quatro anos de busca em Minas Gerais, a ave foi avistada por um morador na região do leste mineiro no último dia 1º de fevereiro. Uma equipe do Waita – Instituto de Pesquisa e Conservação, se deslocou imediatamente para o local, onde foi realizado o registro de três indivíduos, um sozinho e um casal formando ninho.

Considerada extinta em diversos Estados, a espécie está criticamente ameaçada de extinção no Brasil, sendo um dos alvos do Plano de Ação Nacional para Aves da Mata Atlântica. Diante da situação, o Waita – Instituto de Pesquisa e Conservação iniciou, em 2016, um programa de conservação do bicudo em Minas Gerais, com apoio da Fundação Grupo O Boticário de Proteção à Natureza em parceria com o Instituto Estadual de Florestas (IEF) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). As ações de conservação contam, ainda, com o apoio das Universidades Federais de Viçosa (UFV), de Ouro Preto (UFOP), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e criadores da espécie, devidamente autorizados.

Entre as diversas ações do programa, a meta inicial foi realizar buscas pela espécie em vida livre e coletar informações sobre comportamento, ecologia, caracterização genética e sanitária das populações em liberdade. Paralelamente, foram realizados estudos técnicos-científicos das populações em cativeiro autorizado. O objetivo destes estudos sempre foi conhecer melhor o bicudo, a fim de subsidiar um programa de conservação e reintrodução da espécie em Minas Gerais.

Morador do Leste Mineiro, José Paulo dos Santos, 51 anos, foi quem avistou a ave e entrou em contato com a equipe do projeto. Ele já havia auxiliado nas buscas pela espécie, em 2017, e já sabia da existência da ave na região pois costumava ver o bicudo próximo a brejos e lagos em que costumava pescar. “Desde então, virou uma questão de honra encontrar o bicudo”, disse.

Alice Lopes, bióloga do Waita e coordenadora do programa de conservação do bicudo, ficou maravilhada ao avistar o animal. “Após quatro anos de buscas da espécie em vida livre, é uma alegria enorme poder vê-los vivendo em ambiente natural. Renova nossas energias e esperanças de vê-lo repovoando o Estado. Esse registro possibilitará diversos estudos comportamentais sobre habitat, alimentação e reprodução, que são praticamente inexistentes e serão fundamentais para subsidiar um futuro programa de reintrodução”, disse.

Para a Diretora de Proteção à Fauna do IEF, Liliana Nappi Mateus, a redescoberta fortalece a importância de que o Estado realize ações de conservação, possibilitando o conhecimento e a preservação da fauna em Minas Gerais.

O analista ambiental do Ibama em Minas, Daniel Vilela, também frisou a importância do registro após 80 anos: “O bicudo sempre foi uma espécie naturalmente rara e sofreu muito com a captura e criação clandestina devido ao seu belo canto e valor comercial. Poucas pessoas acreditavam que este reencontro em Minas Gerais fosse possível. Este novo registro alimenta a esperança de que os programas de proteção e conservação de fauna repovoem nosso estado com este importante pássaro.

Fonte: ASCOM MEIO AMBIENTE

Participe do nosso grupo Whatsapp