Artigos

Campanha contra sarampo e pólio em Uberlândia começou hoje (6)

Expectativa da Secretaria Municipal de Saúde é proteger mais de 33 mil crianças. Dia D será no dia 18 de agosto

As 70 salas de vacinação em Uberlândia já estão prontas para receber as crianças que devem receber as doses da vacina contra sarampo e poliomielite. A expectativa da Secretaria Municipal de Saúde para a Campanha Nacional de Vacinação, que acontece de 6 a 31 de agosto, é proteger mais de 33 mil crianças.

Com foco no público infantil, a campanha é voltada para crianças com mais de 1 ano e menores de 5 anos. Além das salas de vacina disponibilizadas nas UBSF e UBS, o atendimento será oferecido com horário estendido nas Unidades de Atendimento Integrado (Uais) dos bairros Luizote, Tibery, Pampulha, Roosevelt, Planalto e Martins, das 8h às 20h.

Durante o período de intensificação, ainda haverá um ‘Dia D’ de mobilização em 18 de agosto. “Os pais têm a oportunidade de levar seus filhos todo o ano para receber as vacinas. O que estamos fazendo é um reforço com o intuito de romper a cadeia epidemiológica dessas doenças de forma indiscriminada”, afirmou Cláubia Oliveira, coordenadora da Vigilância em Saúde.

Além das UAIs, dezenas de unidades básicas de saúde oferecem a vacinação, das 7h às 16h30. Independentemente da situação vacinal, é fundamental que todas as crianças compareçam. “Manter o cartão de vacina das crianças em dia, com todas as doses preenchidas, é o primeiro passo para mantê-las longe de problemas que, por muitos anos, estiveram erradicados do país. Faremos o reforço para as crianças. Os adultos e adolescentes que já garantiram a vacina, não precisam de doses adicionais”, ressaltou a coordenadora.

Controle eficaz

Em 2018, a Secretaria Municipal de Saúde avançou na imunização contra doenças, como a poliomielite. Dos 84,2% de cobertura vacinal registrados em 2017, o município alcançou quase 92% apenas no primeiro quadrimestre deste ano, chegando ainda mais próximo da meta de 95% preconizada pelo Ministério da Saúde. Considerada uma doença grave, a pólio começa de forma repentina e pode deixar sequelas por toda a vida, causando a paralisia.

Apesar do avanço na vacinação, o envolvimento da comunidade é fundamental para garantir resultados ainda maiores.

 

No caso do sarampo, trata-se de uma doença contagiosa que pode ser transmitida pelo contato com secreções. A melhor forma de evitar o sarampo é a vacinação, já que não existe um tratamento específico contra a doença assim como no caso da poliomielite.

No início, os sintomas são similares ao de uma gripe, mas podem evoluir para o aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo. Neste caso, a imunização é feita mediante a Tríplice Viral, que também protege contra rubéola e caxumba. Desde 2017, a cobertura vacinal saltou de 84,8% para 95,9%.

Secom PMU