Segurança pública

Preso casal suspeito de extorsão mediante sequestro em Campina Verde

Com a prisão preventiva de um homem, de 34 anos, e de uma mulher, de 25, na última sexta-feira (10/5), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) concluiu as investigações sobre um caso de extorsão mediante sequestro e ameaça, em Campina Verde, Triângulo Mineiro. Além do casal, outro suspeito, de 53 anos, foi indiciado no inquérito policial.
Dinâmica

Os fatos ocorreram em 8 de outubro de 2023, tendo como vítimas outro casal – um homem, de 32 anos, e uma mulher, de 21. Segundo relatos à equipe da Delegacia de Polícia Civil em Campina Verde, as vítimas estavam em um bar, quando foram abordadas pelo casal suspeito, que teria cobrado do homem uma suposta dívida de tráfico no valor de R$ 500.

A mulher teria sido forçada a entrar em um veículo e, durante o tempo que permaneceu com os suspeitos, intimidada com uma arma de fogo, bem como direcionadas ameaças de morte ao companheiro dela, caso o pagamento não fosse efetuado. A jovem, então, repassou ao casal R$ 400 de um acerto trabalhista, e, após cerca de 15 minutos, foi liberada.

No mesmo dia, os suspeitos teriam invadido a residência das vítimas no meio da noite e os ameaçado com uma pistola, visando reaver um celular que supunham estar com o casal; fato não comprovado, uma vez que o aparelho foi encontrado em outro local.

Investigações

A partir do registro do caso, a Polícia Civil instaurou inquérito policial e representou pela prisão preventiva do casal. Além disso, foram expedidas pela Justiça cautelares diversas à prisão em relação ao terceiro investigado. O cumprimento das medidas contra os suspeitos, no último dia 10, contou com o apoio da Polícia Militar, oportunidade em que também foram apreendidos os celulares do casal.

Os policiais civis levantaram, durante os trabalhos de apuração, que o homem de 34 anos possuía Certificado de Registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CR-CAC), assim como está sendo processado por tráfico de drogas e já havia sido indiciado por outros crimes na cidade. Assim, a PCMG solicitou ao Exército Brasileiro o cancelamento do CR-CAC do suspeito. O registro foi suspenso, e a arma recolhida.

Com a conclusão do inquérito, os suspeitos foram indiciados pelos crimes de extorsão mediante sequestro (art. 158, §3º), exercício arbitrário das próprias razões (art. 345), ameaça (art. 147) e invasão de domicílio no período noturno (art. 150), do Código Penal, assim como por porte de arma de fogo (art. 14), previsto no Estatuto do Desarmamento, todos em concurso material.

ASCOM-PCMG