Segurança pública

Família vive momentos de terror, roubo e cárcere privado no bairro Shopping Park

No último Domingo (14) por volta das 08h12m, moradores da avenida Senador Eliseu Resende, ao perceberem movimentação estranha, ligaram para a Polícia Militar e informaram de um possível roubo em andamento no bairro Shopping Park. Imediatamente a viatura se dirigiu para o local do fato, onde ao chegar, os vizinhos indicaram a residência das possíveis vítimas e informaram que haveria um suspeito armado ameaçando de morte os moradores. Os militares viram o suspeito, um homem de 20 anos, de posse de uma chave de roda próximo ao banheiro e identificaram também um menor, possível vítima sentado no sofá muito assustado. De imediato, os policiais determinaram que o suspeito soltasse a chave de roda e sentasse no sofá para que os militares se inteirassem do que estava acontecendo. O homem , por sua vez, sentou-se e começou a tomar um iogurte. Ele aparentava estar muito drogado. Depois de os policiais convencerem o suspeito para libertar a vítima e um homem de 35 anos (vítima) que estava trancado dentro do banheiro, deram voz de prisão para o suspeito, que reagiu com chutes e murros contra o policial militar, no momento da algemação. No quintal do vizinho, que faz divisa com os fundos da casa das vítimas, foi localizada uma furadeira e uma camiseta de cor azul (usada pelo suspeito para tampar parte do rosto no primeiro momento do roubo, segundo uma das vítimas). Na casa do suspeito, que também residia próximo à casa do roubo, foram localizados pertences das vítimas. Materiais estes que foram entregues pela mãe do suspeito. De acordo com as vítimas e testemunhas, no final da madrugada, ainda escuro, o homem pulou o muro, abriu a porta e deparou com as vítimas dormindo num colchão na sala. Armado com uma chave de roda também de propriedade da vítima, aproveitando da situação, desferiu golpes com a ferramenta, na cabeça e braços da vítima, causando-lhe grave ferimento no braço direito, sendo preciso ser medicado no UAI Pampulha. Uma das vítimas foi trancada dentro do banheiro para que não pudesse defender a sua família que ficou à mercê do suspeito. Então, munido com um objeto semelhante a um cano de arma de fogo (acredita-se que seja a furadeira também roubada), o suspeitos passou a ameaçar as vítimas (esposa, 31 anos, e filhos, um adolescente de 12 anos, e uma bebê de 2 anos). O suspeito ainda levantou a bebê pelos cabelos além de lhe dar tapas com o intuito da vítima lhe entregar possível dinheiro guardado na casa. Também agrediu fisicamente o filho do casal para que contasse quais as senhas dos cartões de crédito por ele roubados. O suspeito teria ficado mais de vinte minutos com as vítimas sob ameaças e agressões para que pudesse revirar toda a casa e roubar os seus pertences. O suspeito então, deixou seu par de tênis no quintal e fugiu pelo muro dos fundos. Após esconder os pertences das vítimas, o mesmo voltou novamente para a casa da vítima, passando pela avenida Rescalla Sabbag, e antes disto, comprou num empório, duas casas abaixo da casa vítima, uma bandeja de iogurte e outras guloseimas; a vítima nos disse que assim que viu o suspeito adentrando à sua casa novamente, agora sem camiseta tampando o rosto, conseguiu sair da casa com a bebê no colo, e pedir ajuda para os vizinhos, porém o seu filho adolescente ainda ficou dentro de casa e seu marido continuava preso no banheiro. Neste momento, a guarnição chegou e fez a abordagem. O suspeito foi reconhecido por testemunhas por um furto ocorrido em data anterior e ele também admitiu que teria furtado a residência das vítimas em outras vezes. O suspeito também danificou a porta do banheiro, possivelmente com a chave de rodas. O adolescente relatou que na segunda vez que o suspeito entrou na sua residência, determinou que ele ficasse calado ou “seria ruim para ele” e por este motivo, no momento da chegada da guarnição, ele nada falou, apenas demonstrou estar bastante assustado. O suspeito disse que fez uso de drogas e álcool num baile funk, durante a madrugada. Ele estava visivelmente drogado e não falava coisas coerentes, além do alto grau de agressividade usado no momento do crime. Uma das vítimas o pai ficou o tempo todo no banheiro. O suspeito falou para todos os moradores que não era para saírem do quarto por uns vinte minutos ou ele voltaria para matar todos. Realmente o suspeito voltou depois de uns vinte minutos, porém os vizinhos ouviram os pedidos de socorro e acionaram a Polícia Militar .

O suspeito foi preso e entregue a Delegacia de Plantão. 

Fonte: Polícia Militar/mg