Segurança pública

Criminosos que furtaram Terço Beneditino em Ouro Preto passam a integrar o programa MPMG Busca

Os quatro colombianos – dois homens e duas mulheres – denunciados pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por envolvimento no furto de um terço de ouro do Rosário Beneditino, no Museu de Arte Sacra da Igreja do Pilar, em Ouro Preto, passaram a integrar o MPMG Busca, programa que reúne esforço interinstitucional para dar cumprimento a mandados de prisão em aberto. A iniciativa é coordenada pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias Criminais (Caocrim). Uma das mulheres foi presa no dia 17 de novembro.

Depois de instituído, o MPMG Busca já obteve êxito na captura de sete criminosos de alta periculosidade. Além dos colombianos, outros nove estão foragidos e fazem parte da lista de prioridades. Um outro foi preso, mas teve a prisão revogada. A última captura ocorreu em outubro deste ano.

Conforme o promotor de Justiça Marcos Paulo de Souza Miranda, coordenador do Caocrim, “o MPMG Busca constitui uma novidade no âmbito da nossa Instituição, que, de forma pioneira, instituiu um programa continuado de busca e captura de criminosos”.

Segundo ele o número de capturados é expressivo, considerando que muitos dos procurados deixam o Estado, o país, trocam de documentos e, não raras vezes, passam a morar em locais dominados pela criminalidade.

Ainda segundo Marcos Paulo, a impunidade não se resume à falta de condenação pela Justiça, mas também no não cumprimento das decisões judiciais que determinam a prisão. “Em tal sentido, o MPMG Busca tem contribuído para afirmar a aplicação da lei em MG, reforçando a crença na Justiça e nas instituições de segurança pública. Hoje temos cerca de 26 mil pessoas procuradas e foragidas em MG, o que demonstra o tamanho do desafio”, finaliza.

Vereador é incluído na lista de procurados
No último dia 17, o vereador João Celso Pereira, parlamentar em Senhora de Oliveira, na Região da Zona da Mata, foi inserido na lista e está sendo procurado. Ele é acusado de praticar crimes contra o meio ambiente, a administração pública e o direito do consumidor.

Foragido há dois meses, Celso do Açougue, como é conhecido, foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por associação criminosa, desobediência, maus-tratos a animais, funcionamento de empreendimento sem licença ambiental e crimes contra as relações de consumo. Na denúncia, ele é acusado de instalar abatedouro sem licença ou autorização dos órgãos ambientais e de praticar maus-tratos contra animais de pequeno e grande portes, mediante uso de marreta, resultando em morte agonizante.

O vereador também é acusado de desobedecer a termo de embargo e de expor à venda mercadorias em condições impróprias ao consumo. Dois familiares dele, acusados de o auxiliarem nos crimes, também foram denunciadas pelo MPMG e respondem ao processo em liberdade.

O pedido para inserir o nome de João Celso Pereira no MP Busca foi feito pela Promotoria de Justiça de Piranga, uma vez que o abatedouro irregular estava localizado na zona rural do município daquele município, também na Zona da Mata.

Escolha dos alvos
Os alvos foram selecionados mediante consulta aos promotores de Justiça Criminais, que fizeram pedido de apoio para cumprimento de mandados de prisão de condenados ou foragidos considerados prioritários em razão das particularidades locais: repercussão social, gravidade da conduta, reiteração delitiva entre outros.

Em razão de pedidos realizados por Promotorias de Justiça de Alfenas, Araguari, Belo Horizonte, Buritis, Espinosa, Carmo do Cajuru, Cataguases, Conceição das Alagoas, Frutal, Janaúba, João Pinheiro, Novo Cruzeiro e Piranga os criminosos são procurados em todo o país. O MPMG conta com parcerias de instituições públicas de outros estados para realizar as capturas.

Histórico das capturas
Em agosto de 2022, em Divisópolis, Minas Gerias, foi preso Vitor Reginaldo Rosa. Três meses depois foi a vez de Mikael Alves Rodrigues ser capturado, em João Pinheiro. Em janeiro deste ano, em Uberlândia (Triângulo Mineiro), foi preso Antônio Carlos Rodrigues da Silva. No mesmo mês, no Rio de Janeiro, o criminoso João Felipe Alves da Silva foi capturado. Em maio, em Uberaba, foi a vez de Cláudio Romeu de Oliveira. Jefferson Gabriel Martins foi preso no dia 13 de setembro deste ano, em São Paulo. No mês de outubro ocorreu a última captura até então. Giovane Nogueira da Fonseca foi capturado em Marabá, no Pará.

Denuncie
Tem informações sobre a localização dos procurados? Denuncie à Ouvidoria do Ministério Público de Minas Gerais pelos telefones 127 e (31) 3330-9504 ou ainda pela página da Ouvidoria no portal do MPMG. A denúncia é sigilosa.

Ministério Público de Minas Gerais