Notícias de Uberlândia

Com apoio do Exército, Prefeitura amplia combate ao mosquito Aedes

Por meio da operação ‘Mão Amiga’, ações conjuntas intensificarão o atendimento à comunidade e o trabalho de eliminação de criadouros do transmissor da dengue

 

 

            Devido à alta incidência dos casos notificados de dengue em Uberlândia, o prefeito Odelmo Leão solicitou apoio ao 36º Batalhão de Infantaria Mecanizado (36º BIMec) para combater o mosquito e auxiliar no atendimento à comunidade.  A partir de amanhã (13), a Prefeitura de Uberlândia e o Exército Brasileiro vão trabalhar juntos na operação denominada ‘Mão Amiga’. A reunião para definir as ações da parceria entre o chefe do executivo municipal e o comandante do batalhão, tenente-coronel Carlos Augusto de Fassio Morgero, ocorreu no Centro Administrativo Municipal no início deste mês. A autorização do Ministério da Defesa foi dada nesta sexta-feira (12).

 

            Com o aval do Governo Federal, a operação contará com 150 militares aptos a auxiliar o Município no atendimento à população em duas frentes. Uma delas será a disponibilização de tendas de hidratação nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) dos bairros Luizote de Freitas, Planalto e Roosevelt. Toda a logística e material necessário para o funcionamento destas tendas será providenciado pelo batalhão e os atendimentos ficarão sob a responsabilidade dos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde.

 

            Além deste apoio, os militares também atuarão nas ruas junto aos cerca de 400 agentes de controle de zoonose. A colaboração vai permitir uma intensificação nas visitas aos imóveis, com alertas aos moradores sobre as formas de combate ao mosquito e trabalho de eliminação criadouros em locais estratégicos. São pontos como, por exemplo, residências que contam com moradores portadores do transtorno de acumulação compulsiva (acúmulo de lixo, entulhos e objetos em casa). 

 

            “Temos uma batalha contra o Aedes para vencer. O mês de abril, historicamente, é o período de maior incidência de casos. Por isso, entendemos que precisávamos da ajuda séria e responsável do Exército neste momento de epidemia. Não podemos permitir que o mosquito faça mais vítimas das doenças que transmite. Ou acabamos com o mosquito, ou ele acaba com a gente”, reforçou o prefeito Odelmo Leão.

Fonte: SECOM PMU