Minas Gerais

MPMG fará ações de combate ao racismo durante a final do mineiro entre Cruzeiro e Atlético

Neste domingo, 7 de abril, durante a final do Campeonato Mineiro de Futebol, entre Cruzeiro e Atlético, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), em parceria com a Federação Mineira de Futebol (FMF), clubes e Mineirão, estreia ações de combate ao racismo no esporte, por meio do programa institucional antirracista “Sobre Tons”. Está prevista a exibição de um vídeo, nos telões do estádio, que alerta sobre a discriminação racial existente no meio esportivo. Além disso, será exibida faixa com os dizeres: “O racismo não pode entrar em campo”.

O promotor de Justiça Allender Barreto Lima da Silva, que está à frente da Coordenadoria de Combate ao Racismo e Todas as Outras Formas de Discriminação (CCRAD), estará no estádio para falar, com a imprensa, a respeito do Sobre Tons.

Sobre Tons
Em sua primeira fase, realizada de março a novembro de 2023, o programa buscou conscientizar o público interno do MPMG sobre a problemática do racismo, disseminando conteúdos com ideias centrais sobre o tema.

Agora, em sua segunda fase, o programa está sendo ampliado para a toda a sociedade através de parcerias. A primeira foi com a Federação Mineira de Futebol. Entre as ações previstas, está a veiculação dos conteúdos antidiscriminatórios, produzidos pelo Sobre Tons, durante eventos desportivos organizados pela FMF, assim como em mídias e redes sociais, buscando engajamento dos clubes, atletas e torcedores.

Atos discriminatórios aumentaram em 2022
Os últimos dados apresentados pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol revelam que, em 2022, houve um aumento de 47,47% de atos discriminatórios em comparação ao ano de 2021. Segundo a última publicação do relatório anual, 78% das discriminações e atos preconceituosos no meio esportivo aconteceram no futebol. O racismo lidera o ranking com 54% das ocorrências.

Ação do MPMG de combate ao racismo no esporte

Local, data e horário: Mineirão, dia 7 de abril, entre 13h e 17h30.

Fonte disponível para entrevista: promotor de Justiça Allender Barreto

Foto: Freepik

Assessoria de Imprensa