Cotidiano

TI PIDI

Por José Airton Oliveira

Meu Deus Nosso Sinhô, perdoa nóis aqui,

Estou cumedo,

Já num cunsigo drumi,

Falaro duma doença que tá isparramando pur ai,

Qui pode matá nóis tudo,

Qui absurdo,

Inté quem é inocente,

Morrê cum gente indecente,

Dexa a gente discrenti,

Sem sabê o qui fazê.

Sortaram aqui no meu lugá uma vacina pra gripe,

Quando eu fui cum muito medo pra tumá,

Antis de cumeça,

Tinha acabado di acabá,

Se sabe como é,

Tinha genti pra priviligá,

Aí us pobris vão morrendo,

Sem ninguém pra preocupá,

Num momento de pesti,

Ondi a vida tá in teste,

Tem pulítico brigandu,

Sem saber si eleitor vai sobrá.

Num tô de aguentá,

A gente num pode abraça,

Intão nem namorá,

Isso é mesmo pra acabá,

Só o Sinhô pra salvá.

Eu vô sê miozinho,

Mas tamém perdoa os piozinho,

Dá um gastigo prus safados,

Tipo um isquicimento geral,

Faiz es esquicê que são bandidos,

Pra nunca mais se lembrá,

Ai fica tudo gente boa,

Feito pexe na lagoa,

A gente vai podê forgá de novo,

Vivê tudo numa boa.

Fais isso meu Deus,

Só assim pra cuncertá,

Num castiga tudo não,

Peço de coração,

Esse texto parece de brinquedo,

Mas num tem segredo,

Só pra chamá atenção,

É que tem gente qui no gosta de rezá,

Ai nesse modo que escrivi,

De repente disperta atenção,

Todo mundo que lê,

Vai tá fazendo oração,

É o que nóis pricisa,

Porque se aguém tem curpa,

Foi nóis mesmo curpados da criação,

Então temo qui pidi perdão.

Perdo Pai do Céu,

Por favô.

Imagem meramente ilustrativa.

ASSISTA AS LIVES DO CANAL ALÔ UBERLÂNDIA NO FACEBOOK