Brasil

Com dança cultural e alegria, bandeira brasileira é hasteada na Vila de Lima 2019

Momento simbólico dá início aos Jogos para os atletas brasileiros. Evento contou com atletas do hipismo, rúgbi masculino e feminino, handebol feminino e boliche

O Hino Nacional tocou na Vila Pan-Americana de Lima 2019. No dia que marca 1 ano para a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, os atletas brasileiros participaram, nesta quarta-feira (24), da cerimônia peruana oficial de boas-vindas, com o hasteamento da bandeira brasileira na principal competição das Américas.

Com a contagem regressiva marcando dois dias para a abertura do Pan, cerca de 60 dos 486 atletas da delegação verde e amarela assistiram a uma apresentação artística com dança e música tradicional que resgata a história dos povos tradicionais peruanos. Atletas brasileiros de hipismo, rúgbi masculino e feminino, handebol feminino e boliche viram a bandeira nacional ser hasteada na cerimônia que contou também com as delegações de Bahamas, Bolívia, Ilhas Cayman e Santa Lúcia.

Segundo o chefe da missão brasileira nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019 e vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Marco La Porta, a cerimônia desta quarta-feira é protocolar, mas serve, principalmente, para quebrar o gelo dos atletas. “Acaba caindo a ficha de que agora começaram os Jogos. A cerimônia dá um clique de que a partir de agora o foco é nos últimos ajustes e nas competições”.

Cerimônia de Hasteamento da Bandeira Brasileira no Pan de Lima

Depois de ouvir o Hino Nacional brasileiro pela primeira vez nos Jogos Pan-Americanos de Lima, os atletas ressaltaram a importância do evento continental. “O Pan é estratégico para nós. Temos o sonho de participar de mais uma Olimpíada”, destacou Duda Amorim, ouro com a seleção de handebol nas edições do Rio 2007 e de Guadalajara 2011, e campeã mundial em 2013.

No caso do handebol, apenas a medalha de ouro garante vaga direta para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O caminho até o título tem, ao todo, cinco jogos: o Brasil enfrenta Cuba, Canadá e Porto Rico, antes de avançar para a semifinal e a final. Para Duda, a seleção tem chances de já carimbar o passaporte para o Japão. “Nossos principais adversários são Cuba, que a gente pega hoje na nossa estreia, e uma possível Argentina na final”, acredita. A equipe brasileira encara nesta quarta-feira (24.07) as cubanas a partir das 22h30 (de Brasília), pelo Grupo A.

O Pan de Lima vai reunir cerca de 6.850 atletas de 41 países das Américas. Dos 39 esportes, 22 valem como classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Para o presidente do COB, Paulo Wanderley, a competição é estratégica para os atletas brasileiros. “A expectativa do Brasil em Jogos Pan-Americanos é sempre estar ali colado com o Canadá. Os Jogos Pan-Americanos são um balizamento para nós. Aqui sabemos onde estamos indo bem e onde precisamos melhorar. Esse é um foco que temos aqui, além da questão das classificações de algumas equipes para Tóquio 2020. É a nossa motivação maior”, explicou.

Medalhista olímpico no Rio 2016, o ginasta Arthur Nory também sonha com o ouro em Lima. “A gente está com uma expectativa muito boa como equipe, para ir em busca do ouro e do maior número possível de finais. A equipe está bem forte e equilibrada”, avaliou. A seleção masculina estreia no domingo (28), quando os atletas já brigam também por vagas nas finais por aparelhos. “No Pan a gente se prepara para o Mundial, que será classificatório para Tóquio”, completa.

Para Lucas Rodrigues Duque, da seleção masculina de rúgbi de 7, o Pan é o torneio mais importante para a modalidade depois da Olimpíada. “É um prazer e um privilégio representar o nosso país e o nosso esporte aqui. Esperamos fazer o nosso melhor papel possível para conseguir uma medalha”, afirmou. “Nosso primeiro jogo é contra o Chile, que é uma potência na América do Sul, mas também há grandes times, como Argentina, Estados Unidos e Canadá. A gente vem com força máxima e pretende fazer um belo papel”, acrescentou.

Cerimônia

O hasteamento da bandeira é um evento à parte realizado na zona internacional da Vila Pan-Americana. Com uma trilha sonora que resgata a história do povo peruano, os atletas têm a oportunidade de interagir com outras nações, além do contato com a riqueza cultural e musical do país.

O prefeito da Vila Pan-Americana 2019, Giorgio Mautino, deu as boas-vindas aos atletas. “A Vila é um local especial em que os atletas irão morar durante três semanas, se reunirão e irão conviver em harmonia. Aqui deixamos de lado rivalidades e vivemos de acordo com os valores olímpicos: a amizade, a excelência e o respeito”, ressaltou.

Investimento

A preparação dos atletas brasileiros para os Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 teve incentivo do governo federal, que ofereceu, por meio de vários instrumentos – Lei Agnelo/Piva, Lei de Incentivo ao Esporte, Bolsa Atleta e Bolsa Pódio – recursos para o desenvolvimento de diversas modalidades e atletas em disputa. Somam-se a esse valor os patrocínios de empresas estatais, que também foram fundamentais durante os treinamentos.

Fonte: Secretaria Especial do Esporte