Artigos

‘Trem da Saúde do Idoso’ avalia pacientes de 30 unidades do setor oeste

Ação auxilia na elaboração de planos de cuidados específicos e capacitação de profissionais

Depois de passar pelas regiões Sul e Leste, o mutirão “Trem da Saúde do Idoso” esteve, na manhã desta terça-feira (28), na zona Oeste de Uberlândia. Ao som da Banda Municipal, o ponto de encontro entre pacientes com mais de 60 anos e profissionais de 30 unidades de unidades de saúde do setor foi o Clube Militar dos Sub-Tenentes e Sargentos, no bairro Jaraguá. Cerca de 150 pessoas foram atendidas.

O “Trem da Saúde do Idoso” é um evento elaborado pela Rede de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa com o objetivo de identificar e cadastrar a população com mais de 60 anos para a formulação de planos de cuidado específicos e individualizados. Durante o mutirão, os participantes recebem orientações diversas sobre qualidade de vida, têm a serviços sobre vacinação, programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e práticas integrativas e complementares em saúde e passam por avaliações, como cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), velocidade da marcha e a aplicação de um questionário para identificar o Índice de Vulnerabilidade Clínico-funcional (IVCF-20).

Atendimento com mais qualidade

Paciente da unidade de saúde do bairro Canaã, o aposentado José Marques Evangelista, de 74 anos, não perdeu a oportunidade de dar uma atenção extra à saúde. “Estou surpreso com o mutirão. A saúde está tomando o rumo necessário para o povo. São vários setores nesse evento e cada qual nos atende melhor. Estamos aprendendo coisas que não sabíamos e levando para casa muita sabedoria, graças aos nossos agentes de saúde, que cuidam de nós em toda a cidade”, comemorou.

Além de ajudar na elaboração de novos planos de atendimento, o mutirão também ajuda a aperfeiçoar as equipes e aumentar a integração entre elas. “Nosso objetivo é a conscientização da sociedade a respeito dos idosos, conscientização dos próprios idosos da sua condição de saúde e a capacitação dos profissionais de saúde na tentativa de fazer a extratificação de risco de todas as pessoas idosas, pois cada uma dessas condições do idoso vai exigir um trabalho diferente”, explicou a coordenadora das redes temáticas, Ione Aparecida Silva.

Fonte: Secom PMU