Artigos

Exercícios são importantes para o controle da glicemia

No Dia Mundial da Atividade Física, Sociedade Brasileira de Diabetes tira dúvidas sobre como se mexer é importante para quem tem diabetes

Dia 6 de abril é o Dia Mundial da Atividade Física. A OMS define atividade física como sendo qualquer movimento corporal que requeira gasto de energia – incluindo atividades físicas realizadas no trabalho, na execução de tarefas domésticas, viagens e em atividades de lazer. Já exercício é uma subcategoria da atividade física e é planejada, estruturada, repetitiva e tem como objetivo melhorar ou manter um ou mais componentes do condicionamento físico. A atividade física moderada e intensa traz muitos benefícios para a saúde, em especial às pessoas com diabetes.

Como se sabe, o diabetes tipo 2 é causado por diversos fatores, entre eles o aumento de peso. Daí a importância da atividade física e de exercícios para o controle da glicemia.

Abaixo, o médico Renato Redorat, do Departamento de Exercício e Esporte da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), tira dúvidas sobre atividades físicas e exercícios:

Qual o benefício do exercício físico para as pessoas com diabetes?

Diversos estudos comprovaram que a prática regular de exercício físico por pessoas com diabetes melhora o controle glicêmico, reduz os fatores de risco cardiovascular, contribui para a perda de peso, melhora a fertilidade e aumenta o bem estar.

Qual o exercício recomendado para quem tem diabetes?

O recomendado são exercícios de baixa e média intensidade para os iniciantes. Os exercícios aeróbicos, como caminhada, corrida, pedalada e natação, com uma frequência de cinco a sete vezes por semana, traz vantagens para o controle da sua glicemia. Os exercícios anaeróbicos como a musculação e alguns esportes de luta levam ao ganho de massa muscular, que aumentam a queima de glicose e melhoram a sensibilidade da insulina.

Como a atividade física ajuda no controle do índice glicêmico?

Durante uma atividade ou exercício físico, ocorre o aumento da captação da glicose no músculo em contração, elevando o número de receptores que vão utilizar a glicose no sangue como fonte de energia no músculo. Assim a glicose não ficará em excesso e nem levará ao ganho de peso. É um efeito semelhante com a ação da insulina sobre a captação da glicose na musculatura.

Verdade que atividades físicas podem elevar a glicemia?

A atividade física de maior intensidade pode, sim, elevar a glicemia. Isso acontece por causa da ação dos hormônios contrarreguladores da insulina (adrenalina, testosterona, hormônio do crescimento, entre outros). Se a pessoa está com a glicemia descontrolada (taxas de glicemia maiores do que 250mg/dl), a atividade física pode aumentar a glicemia e deve ser evitada enquanto essa taxa de glicose não baixar, principalmente nas pessoas com diabetes tipo 1. Porém, esse aumento pode ser prevenido com orientação de um profissional. Fale seu médico, educador físico ou nutricionista especialista.

Existe um horário melhor para pessoas com diabetes praticarem exercícios?

Para um paciente com diabetes, não importa o horário, pode ser ao acordar, pode ser no seu intervalo para o almoço ou à noite. O importante é que ele tenha regularidade e que alcance 150 minutos por semana. A regularidade do exercício físico é mais importante do que o seu horário estabelecido. Isso independente de ser exercício aeróbico ou anaeróbico.

A pessoa com diabetes deve se alimentar antes de praticar exercícios?

A pessoa com diabetes tipo 2 segue a mesma orientação de uma pessoa sem diabetes. Pode fazer exercício físico a qualquer horário, independente da alimentação, desde que ela seja balanceada e não atrapalhe o tipo de exercício físico escolhido. O paciente com diabetes tipo 1 tem uma orientação diferente, pois ele precisa saber sua glicemia antes de fazer exercício. Como citado acima, se estiver maior que 250, ou apresentar valores muito baixos, que possam ocasionar uma hipoglicemia, que é a glicose baixa da corrente sanguínea, é melhor evitar a prática de exercício. O paciente que está acostumado a se exercitar e orientado por profissionais, tem noção de quantas calorias ele gasta naquele exercício e sabe fazer uma ingesta de carboidrato para compensar essa queima. Procure sempre orientação de um profissional especializado.

Foto: Freepik

GBR Comunicação