Artigos

Está com febre e tosse? Cuidado, pode ser pneumonia

Hospital Santa Genoveva conscientiza sobre uma das doenças que mais mata em todo o mundo

Tosse, expectoração, dor no tórax, falta de ar e febre são sintomas de uma das doenças que mais mata crianças e idosos no mundo: a pneumonia. Para conscientizar sobre a doença pulmonar inflamatória e que pode ser causada por vírus, fungos, parasitas e bactérias, foi criado em 2009 o Dia Mundial Contra a Pneumonia, comemorado em 12 de novembro.

De acordo com o site da Sociedade Brasileira de Imunização, os óbitos em crianças menores de cinco anos causados pela pneumonia em 2015, foram alarmantes. No mundo, superou o número de doenças como malária, ebola, tuberculose, zika e HIV no mesmo período: foram 920 mil só por pneumonia. Já no Brasil, dados divulgados pelo Departamento de Informática do Sus (DataSus), indicam que a pneumonia foi responsável por 144.661 internações e 908 mortes de crianças dessa faixa etária entre janeiro e setembro de 2016.

Segundo a médica pneumologista do Hospital Santa Genoveva, Dra. Bruna Zanatta Franco, a pneumonia é a terceira causa de óbitos no mundo e é considerada a primeira em países com a renda per capita baixa. “No Brasil, essa doença está em quarto lugar na causa de óbitos. Por isso, é tão importante discutir e esclarecer as dúvidas da população sobre o tema”, afirma.

“Podemos dizer que a pneumonia adquirida na comunidade é tida como a doença infecciosa aguda de maior impacto médico-social quanto à morbidade e a custos relacionados ao tratamento”, completa Dra. Bruna.

A pneumologista afirma que a doença pode acometer qualquer faixa etária, mas os grupos mais suscetíveis de complicações são as crianças e idosos, além dos pacientes que apresentam diabetes e outras doenças autoimunes.

“É importante salientar que as pneumonias são doenças inflamatórias agudas, de causa infecciosa, cujo tratamento depende do agente causal. O tempo do tratamento depende da gravidade e da evolução do quadro. Por isso, é de extrema importância a avaliação precoce em cada caso”, finaliza a médica.

FONTE: Prelo Comunicação