Artigos

Divórcio com filhos: como ficam assuntos como guarda, visitação e pensão alimentícia?

Advogado especialista em Direito de Família, Lucas Costa, esclarece dúvidas frequentes entre casais (com filhos) que se divorciam.

No cenário pós-divórcio de casais com filhos, os temas que são levados até os escritórios de advogados de família de são geralmente os mesmos: guarda dos filhos, definição de critérios para visitação e também de valores para pensão alimentícia.

Segundo o IBGE, quase 370 mil casais se divorciaram em 2021 e essa há tempos é uma estatística que não para de crescer anualmente. É o que acontece no escritório do advogado Lucas Costa, especialista em Direito de Família. Por isso, ele resolveu compartilhar sua expertise de uma forma que facilite a consulta de qualquer casal que esteja passando por essa situação, com o objetivo de esclarecer dúvidas e oferecer direcionamento prático.

Guarda dos Filhos: Além do Tradicional

A guarda dos filhos após um divórcio vai muito além da questão de com quem a criança vai morar. “É uma decisão que deve equilibrar o bem-estar emocional e físico da criança, assim como as capacidades e disponibilidades de cada pai,” destaca Costa.

O advogado explica que a guarda compartilhada, onde ambos os pais têm direitos iguais sobre as decisões importantes na vida da criança, está se tornando mais comum. “Isso reflete uma mudança positiva na sociedade, reconhecendo a importância do papel de ambos os pais.” Por outro lado, a guarda alternada (quando a criança passa iguais períodos morando na casa de cada pai) não é facilmente aceita por juízes, muito menos indicada por psicólogos.

Visitação: Manutenção de Laços Afetivos

Visitas regulares são essenciais para manter a relação entre a criança e o pai não guardião. Costa observa: “Cada família deve encontrar um cronograma que funcione para eles, mantendo sempre a rotina e a estabilidade emocional da criança como prioridade.” Ele sugere ser flexível e aberto a ajustes conforme as necessidades da criança mudam ao longo do tempo. E que esse acordo seja oficializado, evitando contratempos e até mesmo aborrecimentos em situações em que haja divergências entre os antigos cônjuges.

Pensão Alimentícia: Compreendendo as Responsabilidades

Lucas Costa enfatiza que a pensão alimentícia vai além do aspecto financeiro. “É sobre garantir que a criança tenha acesso a tudo o que precisa para um desenvolvimento saudável” afirma. A pensão é calculada com base nas necessidades da criança e na capacidade financeira do pai responsável pelo pagamento. “É importante entender que a pensão é um direito da criança e deve refletir suas necessidades reais, incluindo educação, saúde, moradia e lazer,” acrescenta Costa.

Desafios Comuns e Soluções Práticas

Costa reconhece que, na prática, a aplicação desses conceitos pode trazer desafios. “Frequentemente, vejo pais lutando para manter um equilíbrio entre suas responsabilidades profissionais e compromissos de visitação. É vital encontrar um meio-termo que funcione para todas as partes envolvidas, sempre com a criança ocupando seu lugar de prioridade absoluta”, aconselha.

Além disso, no que tange à pensão alimentícia, Costa alerta para a necessidade de revisões periódicas. “As circunstâncias financeiras podem mudar, e é importante que a pensão reflita isso.”, orienta.

O Futuro da Criança

“A chave para gerenciar guarda, visitação e pensão alimentícia é a comunicação efetiva e a disposição para trabalhar juntos pelo bem da criança”, finaliza Costa. O advogado garante que, com uma abordagem informada e colaborativa, é possível superar os desafios do pós-divórcio e garantir um futuro positivo e estável para os filhos envolvidos.

Orientação aos pais

O Advogado de Família acompanha quase diariamente casos como este no escritório e também em seus atendimentos on-line, uma vez que consegue atender casos de qualquer lugar do Brasil e do mundo com a ajuda da Internet. “Minha experiência faz com que eu oriente todos os clientes da mesma forma: contem com o apoio de um advogado especializado. Só ele saberá como auxiliar nos acordos entre os antigos cônjuges de uma forma que seja saudável para ambos, para a criança e se mantenha dentro da lei”.

“Além disso, imprevistos que surgem no caminho – como aniversários de pessoas da família, que podem provocar desavenças, caso a guarda esteja com um pai e o outro peça a presença da criança, por exemplo”, explica. E, segundo o advogado, se o acordo está formalizado, os problemas são muito minimizados. “Além disso, sempre uma parte está mais fragilizada e não tem condições de avaliar se o acordo foi justo. Pedir revisões de acordo não é algo fácil na justiça. Com um advogado te protegendo, você fica tranquila”, finaliza.

Foco na Mídia