Artigos

Detentos participam da Semana Municipal do Grafite de Uberlândia e colorem a fachada da escola do Presídio Jacy de Assis com arte

Grafiteiros reconhecidos em Uberlândia ensinam aos detentos a arte do grafite e colorem com mensagens positivas as paredes da unidade prisional

 

Tintas de sprays de várias cores estão dando outra cara para as paredes da Escola Estadual Professor Paulo Freire, instalada no Presídio Professor Jacy de Assis, em Uberlândia. Seis presos com aptidão e habilidade para desenhar foram selecionados para participar da Oficina e Criação de Painel de Grafite, promovido pela prefeitura da cidade. Durante dois dias, 08 e 09 de abril, eles tiveram aulas com grafiteiros uberlandenses conhecidos na cena artística da região. 

 

O material usado foi doado pelo município e tem sido a base para os detentos aprenderem técnicas de desenho e escrita. A iniciativa visa promover a ressocialização por meio da arte e da educação. A diretora de atendimento do presídio, Janaína Vaz pessoa explica que as pedagogas da unidade prisional participaram efetivamente das atividades do projeto em parceria com a secretaria municipal, e por meio de diálogo, organização e seleção dos participantes, deram ao projeto o caráter educacional.

 

“A arte, cultura e a educação são ferramentas essenciais em busca do resgate de cidadania desses indivíduos, levantando a autoestima e resgatando valores. É uma possibilidade dos internos se integrarem com o ambiente e trabalharem aspectos morais, éticos e sociais”, ressaltou Janaína.

 

As oficinas de grafite foram possíveis graças ao apoio dos grafiteiros Marcos Ferreira da Silva, Cleiton Rocha dos Santos, Diego Antônio de Araújo, Wesley Jesus da Silva e Júlio Cesar Meneguella de Oliveira.

 

Educação e família

 

O tema escolhido para inspirar os grafites nas paredes da escola foi “Educação e Família”, e teve como objetivo promover a reflexão quanto a importância do fortalecimento de laços afetivos, familiares e educacionais nos indivíduos.  Para David Araújo dos Santos, de 21 anos, ter sua arte estampada na parede para que muitos possam apreciá-la é uma forma de reconhecimento. “Eu prático o grafite desde quando eu era garoto, mas não em paredes com um spray e, sim, em uma folha em branco. Não há satisfação maior para um artista do que ver que as pessoas admirando algo que foi criado a partir de uma ideia que tomou formas e cores”, disse o interno.

Fonte: SEAP – ASCOM

Participe do nosso grupo Whatsapp