Artigos

Caso importado de sarampo acende alerta para vacinação

Um caso importado de sarampo registrado no Rio Grande do Sul, em dezembro de 2023, acendeu um alerta importante sobre a necessidade de se manter as vacinas em dia. Mesmo sem novos registros da doença, o Ministério da Saúde recomenda que as pessoas que ainda não receberam o imunizante tomem a vacina, recomendada para crianças a partir de 1 ano até adultos de 59 anos. Nos últimos dois anos, esse foi o segundo registro no país da doença, que havia sido erradicada em 2016: o outro foi em 2022.

O médico infectologista Claudilson Bastos, consultor técnico do Sabin Diagnóstico e Saúde, destaca que a vacinação é o único caminho para prevenir e erradicar o sarampo, que pode ser transmitido de pessoa a pessoa, por via aérea, ao espirrar, tossir, falar e até mesmo respirar. “O sarampo é causado por um vírus da família Paramyxoviridae, com alto potencial contagioso, mas que pode ser evitado por meio da imunização, que é eficaz e segura. Por isso, é importante vacinar, principalmente, as crianças. Uma das opções disponíveis é a tríplice viral, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola. A primeira dose deve ser aplicada no primeiro ano de vida, com o reforço feito após 15 meses”, informa.

O infectologista ainda acrescenta que adolescentes, adultos e idosos não imunizados na infância ou que não tenham a certeza da imunização devem se proteger o quanto antes para prevenir a contaminação e possíveis casos graves. Para isso, há vacinas disponíveis no SUS e na rede privada. “O Calendário Nacional de Vacinação oferece imunização para pessoas de 12 meses a 59 anos, sendo recomendadas duas doses até 29 anos e uma dose para indivíduos não vacinadas acima de 30 anos. Já o esquema da rede privada consiste em realizar a aplicação das duas doses a partir do primeiro ano de vida, sem limites, com intervalo mínimo de um mês entre elas”, afirma.

Sintomas do sarampo

Os primeiros sintomas do sarampo se assemelham aos de um resfriado comum ou da gripe, como tosse seca, coriza, mal-estar intenso, inflamação nos olhos (que lembra conjuntivite) e febre maior que 38 oC. O indício mais emblemático, conforme explica o infectologista, é quando as pessoas apresentam manchas na pele, sem secreção, que aparecem entre 3 e 5 dias após a contaminação. Inicialmente, as lesões surgem no rosto e atrás das orelhas e se espalham, em seguida, pelo restante do corpo.

“Devemos ficar atentos após o aparecimento das manchas, porque ela pode vir com a persistência da febre, apontando para uma possível gravidade da doença, principalmente em crianças menores de 5 anos”, informa Bastos, que acrescenta: “Há quem apresente ainda outros sintomas, como os gastrointestinais (vômito e diarreia); neurológicos, que podem evoluir para uma encefalite (inflamação cerebral); e pulmonares, com uma pneumonia viral”.

Outras vacinas disponíveis

Além da vacina tríplice viral, o Brasil disponibiliza outros imunizantes que previnem o sarampo: a dupla viral, que protege contra o vírus do sarampo e da rubéola e que pode ser utilizada para o bloqueio vacinal em situação de surto; e tetraviral, responsável por prevenir os vírus do sarampo, da caxumba, rubéola e varicela (catapora).

Assessoria de Imprensa