Agenda Cultural

Festival de Dança do Triângulo volta com força total

Uma celebração da arte corporal: Festival vai abordar as mais diversas manifestações de dança

Em julho, o Festival de Dança do Triângulo está de volta, e esse ano, promovido pela Associação dos Profissionais de Dança de Uberlândia – APDU. Com mais de 600 inscritos de todo o país e o tema “Atualização e Permanência”, o Festival abordará diversas manifestações de dança, desde o balé clássico até a dança contemporânea, além de danças populares, como o flamenco, a dança do ventre e a dança de salão.

O evento é gratuito e aberto ao público, oferecendo uma semana repleta de emoções e movimentos envolventes. Ele ocorrerá em Uberlândia, de 12 a 18 de julho, transformando a cidade em palco para os melhores bailarinos e coreógrafos, em um evento imperdível que celebra a cultura e proporciona momentos inesquecíveis.

“A dança é uma das formas mais belas de expressão artística, onde a expressão corporal, os movimentos e o ritmo transcendem a essência do bailarino e alcançam o público. Este Festival é muito mais do que apenas um evento; é um momento para enriquecer a alma e preencher nossos corações com diversas manifestações culturais expressas por meio da dança”, compartilhou Cláudio Strondum, secretário da APDU.

O Festival está agora em sua 29ª edição, tendo sido gerido pela secretaria municipal de cultura por três décadas, e sendo o primeiro presencial após uma pausa forçada de dois anos devido à pandemia e às limitações de recursos (em 2021 aconteceu uma edição remota). A partir de 2021, a Prefeitura deixa de executar o festival, e os profissionais da dança se reuniram em um fórum específico e decidiram continuar com o evento de forma independente, reconhecendo a importância do Festival de Dança do Triângulo para a cena cultural de Uberlândia.

A edição deste ano tem sido pensada carinhosamente desde de 2021, e só está sendo possível com o apoio de duas empresas parceiras, Martins e Brasal, e do incentivo dos vereadores Murilo Ferreira e Cláudia Guerra, da Deputada Federal Dandara Tonantzin, além da Prefeitura de Uberlândia e Secretaria de Cultura, Mercure Uberlândia Plaza Shopping Hotel, Schwartz Soluções em Cobranças, Talentos Escola de Dança e Visite Uberlândia.

Para enriquecer ainda mais o festival, foram convidadas companhias renomadas com reconhecimento nacional e internacional.

O festival terá uma programação diversificada e contará com: apresentações de companhias convidadas de reconhecimento nacional e internacional, oficinas, palco aberto, exposição, palestras, jornalismo cultural, mostra competitiva e a mostra não-competitiva, sendo essas duas últimas premiadas no valor de 11 mil reais como estímulo à produção artística.

Entenda as Mostras:

As Mostras acontecerão nos dias 13, 14, 15 e 16 de julho.

A Mostra Competitiva tem como objetivo oferecer aos artistas independentes, companhias, escolas e grupos de diferentes estilos de dança a oportunidade de apresentar seus trabalhos em um contexto de competição, sendo avaliados por profissionais especializados. Serão aceitas coreografias nos seguintes gêneros: balé clássico, jazz, sapateado, danças populares, estilo livre, danças urbanas e dança contemporânea. Os subgêneros incluem solos e variações de repertório, duos, trios e conjuntos com mais de 4 pessoas. As categorias são divididas em infanto-juvenil, juvenil, sênior, adulto e melhor idade. A programação da Mostra Competitiva será divulgada após o encerramento das inscrições, conforme o cronograma do evento.

Já a Mostra Não-Competitiva tem por objetivo proporcionar aos artistas, escolas e grupos de diferentes estilos de dança a possibilidade de apresentar seus trabalhos em um contexto de apresentações não competitivas, recebendo contribuições dos especialistas convidados. Serão aceitas coreografias nos mesmos gêneros e subgêneros mencionados anteriormente, nas mesmas categorias. A programação da Mostra Não-Competitiva será divulgada após o encerramento das inscrições, conforme o cronograma do evento.

Nesta edição, o Festival de Dança do Triângulo prevê premiação em 05 categorias, dentre elas Bailarina e Bailarino Revelação, Coreografia e Grupo destaque e Prêmio Estímulo Social. A Escolha será feita a partir das indicações do júri e dos especialistas que acompanharão toda a programação, e não estará restrito a mostra competitiva, assim, mesmo os participantes da mostra não-competitiva poderão ser escolhidos.

Mais sobre o Festival

“O festival contará com palcos abertos espalhados por Uberlândia. O objetivo é que esses palcos sejam uma extensão do festival, conectando-se com outras partes da cidade. É uma forma de difundir e expandir a própria cultura, além de incluir a comunidade”, explicou Vanilton Lakka, vice-presidente da APDU.

A abertura do festival será dividida em dois momentos. No primeiro, será apresentada a coreografia “Todo Cambia”, que proporcionará um verdadeiro intercâmbio entre artistas de dança de Uberlândia e Araguari, reunindo artistas de ambas as cidades que fazem parte da história do festival, “Faces”, explorará as histórias dessas pessoas através de suas expressões faciais. A assinatura da composição fica a cargo de Claudio Strondum e Eduardo Paiva, membros da diretoria da Associação. No segundo momento, acontece uma apresentação especial da Companhia Jorge Garcia, intitulada “Um cantinho de nós”, companhia paulista consagrada que voltará ao palco do festival no dia seguinte com Take 3.

Durante todas essas apresentações, haverá um espaço chamado “Instalação Digital”, onde será projetada na parede do teatro uma jornada pela história do Festival de Dança do Triângulo, com belas imagens históricas capturadas por fotógrafos da cidade.

Sobre a APDU (Associação dos Profissionais de Dança de Uberlândia):

A APDU foi fundada em 27 de abril de 2012, em Uberlândia, com o objetivo de unir profissionais de dança de diversos setores, instituições e modalidades, de forma representativa, efetiva e atuante. Seu propósito é criar redes de colaboração e atuação conjunta não apenas com o poder público, mas também com outros segmentos artísticos e a comunidade em geral. A associação é composta por talentosos bailarinos e bailarinas, dançarinos e dançarinas, coreógrafos e coreógrafas, diretores e diretoras, além de professores e professoras de Uberlândia. Além do Festival de Dança do Triângulo, a APDU atua em outras áreas do setor da dança, com foco nos três pilares: poder público, setor empresarial e público interno dos segmentos da dança.

Conheça as companhias de dança confirmadas:

Balé Teatro Guaíra

Criado em 1969 pelo Governo do Paraná, possui em seu histórico trabalhos de grande sucesso, como “O Grande Circo Místico”, “O Segundo Sopro”, “O Lago dos Cisnes” e “Lendas Brasileiras”. Ao longo dos anos, a companhia tem contribuído de forma significativa para o desenvolvimento da dança no Paraná e no país. Ao analisarmos a produção da companhia ao longo de todos esses anos, podemos afirmar que ela desempenha sua função principal com excelência: produzir e levar a arte da dança para o estado do Paraná e para o Brasil. Atualmente, a direção está a cargo de Luiz Fernando Bongiovanni. No festival de dança do Triângulo apresentarão as coreografias VICA e PIA, nos dias 17 e 18/07. Dia 18/07 será o encerramento do festival.

Jorge Garcia Companhia de Dança

Foi fundada em 2005 pelo bailarino, coreógrafo e diretor Jorge Garcia. Desde sua criação, a companhia tem desenvolvido uma linguagem própria em suas abordagens coreográficas, estéticas e temáticas, levantando questões sobre o corpo e o ambiente em que está inserida, explorando suas possibilidades e meios de transformação. Utilizando-se da diversidade de linguagens artísticas e técnicas variadas como base para o treinamento corporal, como Capoeira, Aikido e Yoga, a companhia utiliza esses recursos e experiências como ferramentas de criação.

Sediada na cidade de São Paulo, a Jorge Garcia Companhia de Dança realiza uma pesquisa em dança que propõe novas possibilidades de vigor, sensibilidade e percepção do ambiente, valorizando o intérprete como criador e sujeito autônomo no processo de construção das obras. Desde 2015, a companhia explora a interseção entre dança e cinema, produzindo seus trabalhos em um terceiro campo que incorpora elementos das duas linguagens, com especificidades técnicas e estéticas próprias desse novo território. Paralelamente, o grupo capacita seus intérpretes e técnicos para desempenharem funções como operação de câmera, captação de som direto e transmissão de sinal sem fio, criando mecanismos coreográficos e fisicalidades que dão corpo à nova proposta. O termo “COREOCINEGRAFIA” foi criado para designar esse gênero artístico que vem se estabelecendo como uma marca registrada do trabalho da companhia.

A cia se apresenta na abertura do Festival, 12 de julho, com o espetáculo “Cantinho de Nós”, com um elenco composto por artistas premiados Henrique Lima, Jorge Garcia e Marisa Bucoff. No dia 13, a cia apresenta o espetáculo Take 3, resultado de pesquisas mais recentes que explora a relação corpo e câmera. Em cena os artistas interagem com câmeras e projeções ao vivo.

Grupo de Artes Comboio

Comboio Produções é uma produtora cultural brasileira, com uma perspectiva afro-centrada, fundada em 2012 por Juliana Iyafemí. O foco principal da produtora é a produção de festivais e projetos culturais que englobam diversas linguagens artísticas integradas. Além disso, foi criada com o objetivo de profissionalizar e ampliar o acesso jurídico aos trabalhos da artista Juliana Lopes Nascimento (Juliana Iyafemí), que atua nas áreas de Teatro, Cinema e Dança. A partir da aprovação de editais, a produtora Comboio organiza suas equipes de trabalho, sendo que Eliana Lopes, co-fundadora, desempenha um papel central na administração e contabilidade, enquanto Juliana é responsável pela produção geral.

A artista cênica Juliana Iyafemí sobe ao palco do Festival, no dia 16 de julho, para apresentar o espetáculo “Qual é seu nome?”, composição da própria artista que conta com a trilha sonora do multi instrumentista Moreno Veloso, que também estará no palco do Festival juntamente com mais dois músicos locais.

Crédito: Doo Fotografia

Fonte: Ares Comunicação